Gripe H1N1

Dr.Sandro Ceratti
Prof. Dra. Marina de Góes Salvetti

A gripe H1N1, ou influenza A, é provocada pelo vírus H1N1, um subtipo do influenza-vírus do tipo A. O período de incubação do vírus varia de 3 a 5 dias. A transmissão se dá pelo contato direto com animais ou objetos contaminados e de pessoa para pessoa, por via aérea ou por meio de partículas de saliva e de secreções das vias respiratórias. Não há risco de esse vírus ser transmitido através da ingestão de carne de porco, porque ele será eliminado durante o cozimento em temperatura elevada (71º Celsius).

A transmissão do vírus pode ocorrer antes do aparecimento
dos sintomas. Experiências recentes, no entanto, indicam que esse vírus não é
tão agressivo quanto se imaginava, ou seja, não é preciso pânico.

As pessoas com maior risco de sofrer complicações graves
são: idosos acima de 60 anos, gestantes, pessoas com doenças crônicas não
transmissíveis (hipertensão, diabetes, asma, bronquite, insuficiência renal e
obesidade), pessoas com imunidade baixa (imunossu-primidos e transplantados),
crianças entre seis meses e cinco anos e profissionais da saúde, grupos
prioritários para vacinação.

A vacina é uma medida eficaz para prevenção da gripe e deve
ser aplicada prioritariamente nos grupos de risco.

Vacina

A vacina contra a influenza tipo A é feita com o vírus
(H1N1) da doença inativo e fracionado. Os efeitos colaterais são
insignificantes se comparados com os benefícios que pode trazer na prevenção de
uma doença sujeita a complicações graves.

Existem duas vacinas que protegem contra a infecção pelo
H1N1: a trivalente,que imuniza contra dois vírus da influenza A e contra uma
cepa do vírus da influenza B,  e a vacina
tetravalente (ou quadrivalente) que, além desses vírus imuniza contra uma
segunda cepa do vírus da influeza B, menos frequente no Brasil e que só deve
ser usada a partir dos três anos de idade.

Os dois tipos de vacina são eficazes, mas levam de duas a
três semanas para fazer efeito. Embora não ofereçam 100% de proteção, estão
perto disso. A vacina é contraindicada para as pessoas com alergia a ovo, pois
durante o processo de produção da vacina, os vírus crescem em ovos de galinha,
podendo gerar reações alérgicas em pessoas alérgicas.

Como reconhecer os sintomas

Os sintomas da gripe H1N1 são semelhantes aos causados pelos
vírus de outras gripes. No entanto, requer cuidados especiais, pois a pessoa
que apresentar febre alta, acima de 38º, 39º, de início repentino, dor
muscular, de cabeça, de garganta e nas articulações, irritação nos olhos,
tosse, coriza, cansaço e inapetência. Em alguns casos, também podem ocorrer
vômitos e diarreia.

Tratamento

É muito importante evitar a automedicação. O uso dos
remédios sem orientação médica pode facilitar o desenvolvimento de resistência
aos medicamentos. Assim, na presença de sintomas, é importante procurar
atendimento médico. Os antigripais Tamiflu e Relenza têm-se mostrado eficazes
contra o vírus H1N1, especialmente se ministrados nas primeiras 48 horas, que
se seguem ao aparecimento dos sintomas.

Medidas de prevenção

A principal medida de prevenção da gripe H1N1 é a lavagem
das mãos. A pessoa infectada pelo vírus leva as mãos à boca ao tossir e
espirrar e o vírus fica nas mãos. Em seguida os objetos com os quais essa
pessoa tem contato são contaminados. Outras pessoas entram em contato com o
vírus ao tocar nos objetos contaminados e são infectadas quando levam as mãos à
boca, olhos ou nariz. Assim, ao lavar as mãos frequentemente estamos quebrando
esse ciclo de transmissão.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *